[bloqueador]

Durante sua palavra livre, Roberto Araujo afirmou que “estranhou” alguns fatos que envolvem este pregão eletrônico (de número 122/2016): a exclusão da obrigatoriedade de envio de amostras e de estojos.

O pregão eletrônico da Secretaria de Educação que tem com objetivo a aquisição de kits escolares será acompanhado de perto pelo vice-presidente da Câmara, Roberto Araujo.

Roberto Ajaujo pede atenção para a aquisição de kit escolar - (Foto:Divulgação).
Roberto Ajaujo pede atenção para a aquisição de kit escolar – (Foto:Divulgação).

De acordo com o vice-presidente da Câmara, estes kits escolares devem custar cerca R$ 500 mil aos cofres públicos.

“A princípio, as empresas deveriam apresentar amostras dos produtos, para garantir a qualidade deste material, porém, trocaram as amostras por um laudo que comprove a qualidade dos produtos. Entendo que para analisarmos um produto é muito melhor tê-lo nas mãos do que apenas um laudo, além do mais, essas amostras serviriam posteriormente para comparar com os produtos adquiridos”, afirmou o democrata.

Ainda segundo o vereador, após o questionamento de uma empresa, a Secretaria de Educação retirou um item do kit escolar dos alunos: o estojo. “Vão receber um kit escolar incompleto, sem o estojo”, observou Roberto Araujo.

Para ele, a Secretaria de Educação deveria exigir, através do edital, a obrigatoriedade das amostras, conforme dispõe a súmula 19 do Tribunal de Contas. “Um governo sério faz as licitações da maneira mais transparente possível, acatando as sugestões do Tribunal de Contas”, frisou o parlamentar.

“Quero acreditar que estas alterações não sejam para favorecer ninguém, da mesma forma que quero acreditar que este governo realmente é honesto e transparente, então, deixo meu pedido para que voltem a exigir as amostras e que os estojos voltem a compor os kits escolares”, finalizou o democrata Roberto Araujo.

[/bloqueador]

Compartilhar