O Centro Social Urbano (CSU) “Dr. Públio Pimentel” está acolhendo pessoas em situação de rua. O Serviço Emergencial é uma das ações que a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social (SEMADS) vem desenvolvendo durante a pandemia do coronavírus.

Diante do risco de contaminação e do aumento dos casos no município, o imóvel localizado no Plimec oferece alimentação, higiene e pouso, além de biblioteca, sala com TV e espaço aberto com vegetação para que o acolhido possa praticar isolamento social.

Um curso básico de panificação também será disponibilizado para que o usuário possa contar com diferentes ferramentas para a reinserção social, informa a SEMADS.

O trabalho é uma parceria com a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, que cedeu o prédio diante da interrupção das atividades esportivas desenvolvidas no complexo.

Adesão voluntária

A pasta promove abordagens sistemáticas com o objetivo de informar sobre medidas de higienização, necessidade de isolamento social e direcionamento aos serviços públicos em caso de sintomas ou suspeita de contaminação por Covid-19.

A adesão, contudo, esbarra numa questão legal e ética. “É preciso que a pessoa queira sair da situação de rua. Embora a ruptura familiar, o alcoolismo, a drogadição e a violência doméstica contribuam para esse quadro, há situações em que há o desejo de não seguir regras sociais. Também é comum que os usuários apresentem transtornos psiquiátricos devido ao uso excessivo de drogas e álcool”, explica a secretária Adriana Moreira Gomes.

Serviços permanentes

Além do Serviço Emergencial, o município mantém a Casa de Passagem, equipamento público destinado a trecheiros onde é oferecido banho, alimentação, pouso, lavagem de roupa e orientações sobre documentação e serviços públicos.

Já o Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS) faz o trabalho de abordagem social, orientação e oferta de serviços de acolhimento, mapeamento e encaminhamento de casos ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS).

O CREAS, por sua vez, desenvolve estudos dos casos com núcleos familiares rompidos, promove o contato com familiares e oferta serviços e programas da Assistência Social.

Apoio da sociedade

Avaré encontra-se hoje bem estruturada em relação às ofertas dos serviços, com equipe técnica organizada e oferta de diferentes propostas para reinserção, avalia a gestora.

“No entanto, um trabalho efetivo se faz com a ajuda de todos. Portanto, pedimos que a população não dê dinheiro. A erradicação dessa prática e o conhecimento sobre as políticas públicas de Assistência Social existentes colaboram efetivamente para a adesão aos serviços”, orienta a secretária.

Compartilhar