[bloqueador]A matéria de hoje é distante é na cidade de Conceição do Jacuípe localizada a cerca de 325 quilômetros de Salvador o motivo da matéria de hoje ser distante é este.

Maria Márcia do Conselho Santos esposa da vítima Admilson que ficou tetraplégico em 23 de Abril, após quebrar a coluna enquanto brincava em um pula-pula, durante esses dois meses, Admilson sofreu 11 paradas cardíacas e respira com ajuda de aparelhos.

Publicidade

Durante uma entrevista a esposa relata em algumas palavras o seu sofrimento. “A nossa vida, a minha vida, a da nossa filha mudou completamente”.

O momento do acidente foi filmado pela família nas imagens a vítima está no pula-pula, quando tenta dar uma cambalhota, cai com a cabeça para baixo e sofreu fraturas na coluna, o mesmo já cai do pula-pula paralisado.

A esposa e a filha de 1 ano e 7 meses, estão em Feira de Santana, na residência de parentes, acompanhando a situação de Admilson.

Publicidade

“Eu não tenho tempo de fazer minhas próprias coisas, porque estou fora de casa. Eu levanto cedo, ajudo as meninas em algumas coisas na casa, mas 10h já tenho que ir para o hospital. às 11h eu entro para a visita, 13h eu chego aqui de volta, aí almoço, tomo banho, e às 15h a gente volta para o hospital. E aí só retorna lá para as 18h”, explica Márcia.

A família do mesmo imediatamente providenciou socorro e levou ele para o Hospital Geral Clériston Andrade, em Feira de Santana. O vaqueiro de apenas 43 anos foi atendido, mas de acordo com a família, o neurologista informou que o paciente precisava de uma cirurgia urgente, e que a intervenção na coluna só aconteceu 12 dias depois.

O irmão da vitima Agnaldo Santos contou que está recorrendo á fé, para ver seu irmão recuperado. “É pedir a Deus que, mesmo que seja em uma cadeira de rodas, como seja ele permita que eu leve meu irmão para casa, para ele ver a filha dele crescer. Que Deus dê essa misericórdia da gente poder levar ele para casa”, disse.

Mesmo o médico responsável pelo cuidado relatando que a recuperação nesses casos costuma ser bem demorada, Márcia acredita na capacidade do marido.

 

“Vamos levar ele para casa. E ele vai chegar em casa andando, como eu disse para ele hoje: ‘Nós vamos voltar para casa. Nós temos nossa filha, e você vai continuar fazendo o que você gostava de fazer, que era brincar com ela, cuidar dos cavalos, cuidar da família. Nós três em casa”.[/bloqueador]

Compartilhar