[bloqueador]A chamada “Operação Nocaute”, o evento foi de 12h às 13h.

O grupo chamado de melhorias * SSP-SP, disse que o investimento em valores e profissionais de negócios.

Policiais civis de Avaré (SP) paralisou o serviço por um ano, como uma forma de protesto na quarta-feira (19). Chamada de “Operação Nocaute”, o evento aconteceu das 12h às 13h em frente ao dever de oficial da polícia da cidade, como os agentes da Polícia Política. O grupo solicitou a melhores condições de trabalho e queixou-se da falta de estruturas para a prestação de serviços para a população.

A secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) afirmou, a partir de uma nota, que não foi declarada pelos clubes para possíveis falhas no fornecimento de energia quarta-feira. Ele disse ainda que o investimento na contratação de pessoal de segurança e o desenvolvimento profissional de carreira da polícia. De acordo com o Ministério, desde 2011 3.650 política funcionários foram contratados. Quanto à questão dos salários, no mesmo período, a polícia política tem recebido de 44,8% de 72,8%, um aumento das taxas acima da taxa de inflação, a conclusão da SSP-SP.

De acordo com agentes da Polícia Política em Avaré, além dos executivos que trabalham na tarefa, participaram do protesto de funcionários do 1º e do 2º departamento de Polícia, os de Polícia, os de Investigações Gerais (DIG), as Investigações Policiais, a aplicação da Droga (Dise) e a polícia para a Defesa da Mulher (DDM).

Para justificar a exibição, a Associação dos delegados de Polícia do Estado de São Paulo (ADPESP), afirmou, em nota, que “a polícia siga mundo com estrutura e decadente, sem ser capaz de pagar por sua própria limpeza. As condições de trabalho nunca foram tão precárias, e os empréstimos para a população, a cada ano, e a mais necessária, estão em declínio, graças à negligência e condições insalubres de vida cotidiana.”[/bloqueador]

Compartilhar